Obesidade Infantil: a Epidemia (parte 1)

Obesidade parte 1Imagem 1

Olá!

Nesta última semana tive o prazer de assistir ao documentário “Muito além do peso”, o qual recomendo a todos e está disponível no Youtube gratuitamente. Ele aborda o tema da Obesidade Infantil e os dados são ASSUSTADORES:

– cerca de 33% das crianças brasileiras ESTÃO obesas ou com sobrepeso

– 80% por cento destas serão adultos obesos

porcentagem_obesidade_infantilImagem 2

E o porquê desta epidemia? O que podemos fazer para melhorar?

Bem, antes de tudo é importante citar a Teoria da Epigenética, a qual correlaciona maus hábitos alimentares, tabagismo, sedentarismo de, ao menos, duas gerações passadas com possíveis doenças autoimunes, cânceres e alergias existentes na geração presente.

Em outras palavras, tudo aquilo que os seus avós, em especial a sua avó, experienciou durante anos até a gestação da sua mãe, e também tudo o que esta experienciou, podem ter colaborado para a sua programação genética. E isto ser um dos motivos da obesidade.

 

Existe uma outra teoria, que precede a esta, a do “indivíduo poupador”.

O “indivíduo poupador” era um ser privilegiado na era pré-histórica, época de grandes fomes e carências, e que conseguiu sobreviver e ser selecionado devido ao fato de conseguir acumular grandes reservas de gordura e energia e, assim, sobreviver às intempéries.

Mas o que aconteceu? O “indivíduo poupador” venceu a seleção natural e hoje vive num mundo de grande oferta calórica e não de miséria. Ambiente ideal para a epidemia da obesidade.

Já ouviram falar ou vocês mesmos já se pegaram falando que uma pessoa é “magra de ruim”? Que ela pode comer de tudo e que ela não engorda? Então a Epigenética e a Teoria do “indivíduo poupador” podem explicar isso. Maaaas, não tudo!

 

E da Teoria dos 1000 dias ou dos 1100 dias? Já ouviram falar?

A Sociedade Paulista de Pediatria neste mês comemora o Fevereiro Safira- Primeiros Mil Dias: pelo futuro das crianças.

fevereiro safira

Imagem 3

Se somarmos os 9 meses de gestação (40 semanas= 270 dias) mais os dois primeiros anos de vida (730 dias) – alguns autores consideram os meses antecedentes à gestação, associados a bons hábitos alimentares, atividade esportiva adequada e suplementação de vitaminas; principalmente o ácido fólico, como cruciais também ao desenvolvimento e programação genética do feto- chegaremos assim aos 1000 ou 1100 dias.

E aqui, novamente, entraremos na Epigenética e como o material genético de um bebê pode ser alterado por fatores extrínsecos e, como, escolhas feitas neste período poderão afetar toda a sua vida.

Mães com doenças crônicas ou doenças agudizadas não controladas, como a hipertensão, associadas ou não à obesidade, ao tabagismo, ao sedentarismo e ao uso do álcool e/ou drogas podem ter um papel crucial na programação genética de um futuro bebê.

Além disto, bebês prematuros, de baixo peso, restritos ou então aqueles muito grandes (macrossômicos), geralmente filhos de mães diabéticas, também têm um risco aumentado para a obesidade, hipertensão, diabetes e dislipidemia (colesterol alto).

Mas tudo isso, sem ainda nem termos entrado em nutrição ou atividade física? O bebê então, antes de nascer, que possuir alguma destas características já pode ter um risco aumentado para obesidade?

A resposta é SIM!!! Com todas as letras.

 

obesidade-genetica 1

Imagem 4

 

Tá certo? E depois o que mais pode influenciar?

Bom aqui seria a parte fácil da conversa… Mas ficamos por aqui, por hoje!

O restante fica para a parte 2.

Vejo vocês lá!

 

Dr. Vinícius F.Z. Gonçalves– Pediatra e Neonatologista

Referências:

http://primeiros1000dias.com.br/

https://www.spsp.org.br/2019/01/23/campanha-fevereiro-safira-primeiros-mil-dias-pelo-futuro-das-criancas/

Uso saudável de telas, tecnologias e mídias nas creches, berçários e escolas – Sociedade Brasileira de Pediatria- Publicação de  Junho 2019

#MENOS TELAS #MAIS SAÚDE – Sociedade Brasileira de Pediatria- Publicação de Dezembro de 2019

Imagens:

Imagem 1- https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2017/02/26/interna_ciencia_saude,576721/genetica-influencia-em-ate-60-do-indice-de-massa-corporal-das-crianca.shtml- Acesso em 12/02/2020

Imagem 2-http://www.foodmed.com.br/habitos-alimentares-e-obesidade-infantil/- Acesso em 12/02/2020

Imagem 3- https://www.spsp.org.br/2020/01/30/fevereiro-safira-primeiros-mil-dias-pelo-futuro-das-criancas/- Acesso em 12/02/2020

Imagem 4- https://www.tuasaude.com/obesidade-genetica/- Acesso em 12/02/2020

Um comentário sobre “Obesidade Infantil: a Epidemia (parte 1)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s